19 março 2014

Resenha: A Garota Que Você Deixou Para Trás


A Garota Que Você Deixou Para Trás


Autor (a):  Jojo Moyes  
Páginas: 384   
Classificação: 3/5
Sinopse: Durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor francês Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por Édouard. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo — a família, a reputação e a vida — na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra. Quase um século depois, na Londres dos anos 2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa com paredes de vidro. Ocupando lugar de destaque, um retrato de uma bela jovem, presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura, a mantém ligada ao passado. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Ao mergulhar na história da garota do quadro, Liv vê, mais uma vez, sua própria vida virar de cabeça para baixo. Tecido com habilidade, A garota que você deixou para trás alterna momentos tristes e alegres, sem descuidar dos meandros das grandes histórias de amor e da delicadeza dos finais felizes.

Oi, oi amores! A resenha de hoje, digamos que é delicada até as raízes! Eu e a Jojo, temos uma relação de Leitor-Escritor, super interessante. Em suma é mais ou menos assim: Eu SEI que os livros dela são incríveis, e que não vão me decepcionar pela qualidade da autora.Então sempre dou preferência.Mas no começo do livro eu me pego perguntando " O que diabos está acontecendo aqui? É sério isso? Ahhhh, não vou ler mais isso não!" E assim vai...  
A questão é que sempre que ela lança um livro, eu estou correndo atrás dele desesperadamente! E é sempre assim. Já li todos os outros livros da autora publicados no Brasil, e não me decepcionei com nenhum até agora! 

Bom, com A Garota Que Você Deixou Para Trás, não foi diferente. Assim que vi essa capa lindamente delicada e simples, precisei do livro de imediato! E esse título me partiu o coração à primeira vista! E como eu já havia dito, não passou muito estava com o livro em mãos e passando ele na frente de todos os outros da lista. O que posso  dizer? A Jojo se superou mais uma vez? Foi mais uma vez surpreendente? Adorei? Não, isso tudo seria muito pouco para descrever esse livro incrível!

Além de se passar em uma época muito complicada, o livro aborda temas fortes e atípicos para um livro de romance, o que já é marca registrada da Jojo. Com narrativa alternada, em primeira e terceira pessoa, por épocas. O livro me agradou em tudo! Então porque não 5 estrelas? Calma, vocês vão entender!

O livro começa contado pelo ponto de vista de Sophie Lefrevé, uma heroína da 1º guerra mundial. Destemida, insolente e com um coração de ouro. Ela é incrível! Único defeito, afinal, ninguém é perfeito! Ela tem uma fé cega na bondade humana. E isso a atrapalhou muito, mas no fim veio bem a calhar. Ela, sua irmã Hélene, seu irmão Aurélien e seus sobrinhos Jean Michael e Mimi, estão passando pela pior fase de suas vidas. Com os maridos lutando em defesa da pátria, elas tem de se virar para conseguir cuidar das crianças, do hotel e se protegerem dos Alemães que invadiram sua cidade.

Apesar de todas as dificuldades, elas lidam bem com toda a situação. Hélene, a irmã sensata e racional, precisa muito da ajuda de Sophie, a menina sonhadora e impulsiva. Com sua bondade e esperteza além da conta, conseguiu me amarrar! Sua história no entanto, não é tão bela assim. Separada de seu grande amor pela guerra, teve uma infância difícil, criada por um pai extremamente conservador e agressivo, ela não tem boas memórias dessa fase da vida. E seu marido Édouard, é tudo que a vida lhe trouxe de bom, e lhe tirou também. 


"Essa era a história de nossas vidas: insurreições menores, vitórias miúdas, uma breve chance de ridicularizar nossos opressores, barquinhos de esperança em um mar de incertezas, privação e medo."

Com uma história de amor inusitada, Sophie e Édouard, nos presenteiam com a doçura de um amor sincero, entre duas criaturas que não poderiam ser mais diferentes  e mais perfeitas uma para a outra! 

"Quando você voltar, Édouard, juro que serei de novo a garota que você pintou."

Durante a guerra, seu hotel/bar, era o lugar de encontro dos franceses. Deixando claro que como a história se passa na primeira guerra mundial, ainda não havia nazistas ou judeus guerreando por sobrevivência. Eram simplesmente países em guerra. Bom, o Le Coq Rouge, era o lugar de encontro deles onde eles comentavam e odiavam os alemães sem serem mortos ou castigados. Mas com a escassez de comida e lugares decentes, os alemães acabaram ocupando o bar para fazer suas refeições. E imagina quem iria cozinhar para eles, mesmo morrendo de fome e não tendo autorização para tirar um pedaço de uma casca de batata? Ela mesmo, a Sophie! E claro, a Hélene também.

E foi durante essa ocupação forçada que ela conheceu Herr Kommandant, terrível a sua maneira, não consegui odiá-lo, mas ficou bem longe de amá-lo. Acho que na maioria do tempo senti pena dele. E dela por tudo que ele a fez passar!  O quadro, que é o ponto central da história, pintado pelo Édouard, tendo como ilustração a Sophie. Era admirado constantemente pelo Herr Kommandant, que algumas vezes chegou até a conversar com ela sobre arte, e sobre Édouard.

— Acha mesmo que algum de nós tem escolha? — disse ele baixinho. — Acha mesmo que é
assim que algum de nós gostaria de viver? Cercado de desolação? Os responsáveis por ela? Se assistisse ao que vemos no front, a senhora se consideraria… — Ele deixou a frase no ar, balançou a cabeça."

Naquela época era expressamente proibido ter qualquer quadro em casa que não fosse do imperador. Então, já deu para perceber que aí tinha né? Ele admirava o quadro sempre, e acabou se apaixonando pela menina do quadro, a Sophie. Mais durante um bom período do livro, se faz acreditar que ele será um bom amigo, sem segundas intenções. Doce engano!

Eu não queria os meus dias mais felizes poluídos pelas
observações superficiais de um alemão."

Ele quer mais do que uma simples amizade. E por seu marido, Sophie é capaz de tudo! Arrisca sua vida, sua família e entrega tudo. Afim de reaver seu grande amor.  É aí que tudo desmorona. Tomada por uma ação impulsiva, um medo gritante de perder Édouard e sua fé cega nas boas ações humanas. Sophie Léfreve vive a maior e pior aventura de sua vida, seguindo atrás de seu grande amor. Confiando e depositando toda sua esperança nas palavras do Kommandant e no trato selado com muito custo e sacrifício entre eles.


" Penso em você noite e dia.
Você é a minha estrela guia nesse mundo de loucura."


E lá estava eu ligada e fascinada com a primeira parte da história, como uma mariposa girando em torno da luz da lâmpada. Mas começa a parte dois. E nós conhecemos Olívia Halston, ou Liv. Uma mulher extremamente frágil e que não tem mais fé em nada nem em ninguém. Diferentemente de Sophie, ela se encolhe em seu casulo ao invés de voar para longe. E aí eu comecei com as minha perguntas básicas: " Mas o que diabos está acontecendo aqui? É sério isso?..." E por aí vai. 

Não consegui me conectar com a segunda parte da história tão rápido como com a primeira. Na primeira foi a primeira vista, na segunda eu demorei muito para conseguir gostar do que estava lendo e por isso demorei tanto para concluir a história. Embora tenha um desfecho alucinante e lindo! O meio da história é sofrido e parado.


"Liv olha pela janela enquanto o trem segue para Londres, lutando com mais um nó na garganta.
Do outro lado da mesa, o homem e a mulher completamente enfeitados estão encostados um no outro. Adormeceram de mãos dadas."


A Liv, não consegue de jeito nenhum superar a morte de seu marido David. Vive sozinha, quase com medo, e não consegue mais achar um rumo para sua vida. Até que a vida coloca em seu destino Paul McCafferty, e não é tão fácil nem tão bonito como aconteceu com o Édouard e a Sophie não. Eles se conhecem de uma maneira horrorosa.Em um bar gay, a coitada perde a bolsa e faz de tudo para não chorar na frente das pessoas do bar, por tudo que está acontecendo em sua vida e por ser o aniversário de morte de David. Bom, diante da situação Paul se propõe a ajudá-la. Ta aí uma ajuda que custou quase um preço alto demais.

" - Desconfio de que o senhor e eu tenhamos definições diferentes da palavra "valor"."

Depois de toda essa confusão eles acabam se gostando muito! Isso ficou bem claro ainda na primeira noite em que se conheceram... Mas, como a rapadura é doce mais não é mole, ele trabalha para TARP, um empresa que devolve obras de arte roubadas no período de guerra. E quando tudo parecia ir muito bem, eis que A Garota Que Você Deixou Para Trás, presente de casamento que Liv ganhou de David, é vista por Paul. Que logo a reconhece como sendo a obra de arte roubada de um pintor que estudou com Matisse, e que sua família quer o quadro de volta! Só pra deixar bem claro, a família Lefréve, não estava nem aí para ninguém ou nada, além do dinheiro que o quadro valia. E a confusão está armada.

" Sophie parecera estar olhando para ela. Isso também é suportável, dissera sua expressão. Talvez não saiba agora. Mas você vai sobreviver."

Divida entre a razão e a emoção, Liv, acaba se redescobrindo, descobrindo a história dessa mulher forte que foi Sophie.  

Com uma narrativa forte, delicada e avassaladora. Jojo Moyes mais uma vez me surpreendeu com sua doçura, veracidade e complexidade. Eu pensei que o fim seria trágico para ambas as partes, mas eu vos digo meus caros e tão amados leitores, leiam esse livro!!! O final é tão extraordinário, que tentar colocá-lo em palavras seria um ultraje! É inacreditável o que a Jojo conseguiu fazer com essa história! 

Não me decepcionei, ao contrário, me arrisco a dizer que é a melhor obra da autora! Com todas as suas imperfeições, com certeza é a melhor! Uma trama inteligente, fechada sem deixar nenhuma ponta, enredo bem escrito, descrição detalhista sem ser exagerada, amores e personagens delicados e fortes. Me marcou muito!

Além de ter me surpreendido a forma como ela me levou para o período de primeira guerra. Eu vivi todos os medos da Sophie, acreditei como ela e pensei como ela. Teve certos momentos que fiquei em dúvida sobre se faria algo diferente do que ela fez. O realismo chega a ser comovente. Toda aquela dor nesse período tão sombrio da história, com tanta coisa ainda não contada, que me espantei! 

Uma obra perfeita, não levou 5 estrelas por detalhes. Mas é realmente uma linda obra. Em seu conjunto é perfeita! A escrita da Jojo me fascina, mas esse livro se superou em todos os sentidos! Os personagens crescem de uma forma ao longo da história, que até quem eu julgava já não ter salvação ( Sophie e Liv) cresceram e mudaram para a melhor! Terminamos a história com uma Liv forte, decidida e feliz. Tudo que eu queria ver... 

O final não poderia ter sido mais perfeito! Com personagens coadjuvantes super, hiper, mega necessários para o desenvolvimento da trama. Até os personagens coadjuvantes me impressionaram. A única palavra que resume o que senti com esse livro é FASCINAÇÃO! E depois de tudo que li e vivi com eles, devoção também cairia bem! Mas se depois de tudo isso que eu disse, você ainda acha que é só um daqueles romances água-com-açúcar... Então, eu só te peço uma coisa, dá uma chance e leia! Se surpreenda co,o eu me surpreendi, e veja por si mesmo que eu não menti em nada!


"— Ela é sua, Liv — diz, e sua voz está rouca de alívio. — Ela é sua.
— Ela sobreviveu — diz Liv, rindo e chorando ao mesmo tempo. — Eles se encontraram."

Ao fim dessa história eu também estava sorrindo e chorando. Mas ambos de pura alegria, ainda agora escrevo com um sorriso bobo nos lábios. Esse tipo de história fica na cabeça da gente, nos fazendo repensar tudo, avaliar tudo. E nos faz ver o quanto é importante a simplicidade das coisas! Nos faz ter esperança de que em algum lugar, mesmo que nós não saibamos, alguém ainda tenha chance de ter um final feliz! 

Para Ler Ouvindo: Taylor Swift Feat Gary Lightbody - The Last Time



Espero que tenham gostado e que não deixem de comentar o que acharam!
Bjokas e até a próxima.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quer me fazer feliz, ou curtiu a matéria? Comente! Sua opinião é o mais importante.