07 maio 2016

Lá Vem Resenha: Uma Chama Entre as Cinzas


Autor(a): Sabaa Tahir

Editora: Verus 

Páginas: 432


Sinopse: Laia é uma escrava. Elias é um soldado. Nenhum dos dois é livre. No Império Marcial, a resposta para o desacato é a morte. Aqueles que não dão o próprio sangue pelo imperador arriscam perder as pessoas que amam e tudo que lhes é mais caro. É neste mundo brutal que Laia vive com os avós e o irmão mais velho. Eles não desafiam o Império, pois já viram o que acontece com quem se atreve a isso. Mas, quando o irmão de Laia é preso acusado de traição, ela é forçada a tomar uma atitude. Em troca da ajuda de rebeldes que prometem resgatar seu irmão, ela vai arriscar a própria vida para agir como espiã dentro da academia militar do Império. Ali, Laia conhece Elias, o melhor soldado da academia — e, secretamente, o mais relutante. O que Elias mais quer é se libertar da tirania que vem sendo treinado para aplicar. Logo ele e Laia percebem que a vida de ambos está interligada — e que suas escolhas podem mudar para sempre o destino do próprio Império.





"O medo só será seu inimigo se você deixar."

Épico e frio. Duas palavras que definem perfeitamente esse livro.  Vou começar confessando que a expectativa por essa leitura era algo irreal de tão grande. E o medo de não ser o que eu esperava, se igualava em irrealidade. Porque no fim, o livro foi tudo que eu esperei, queria, não esperei e muito mais! 

Uma Chama Entre as Cinzas, não é apenas uma distopia. Esse livro é um achado! Cheio de reflexões sobre medo e coragem, força e fraqueza, sacrifícios, amor e amizade. O que é certo, o que é errado; Quem é certo, quem é errado, em um mundo onde a dominação é uma arma e através do tempo vem passando de reino à reino? Eis um livro onde a maldade e a bondade se misturam de forma tênue, um livro onde apenas cabe a você escolher um lado. Façam suas apostas e se lancem com tudo! Esse livro não tem meio termo...

Laia é uma erudita de dezessete anos que após perder sua mãe, pai e irmã, vive com os avós e o irmão, Darin. Sua vida segue como a de todos os outros eruditos, o medo e o perigo estão sempre a espreita. Mas se não fizerem nada errado, aos olhos da corte marcial,os Máscaras - soldados treinados de forma cruel apenas para matar - a vida possa seguir sem mais mortes.

Mas assim como seus pais, Darin tem sede de justiça, de saber. E não consegue se manter quieto, quando tudo o que eles tem são migalhas do que o reino teve um dia. Assim, como um infiltrado, Darin consegue o desenho das cimitarras. Espadas de um aço superior, capaz de partir ao meio as espadas comuns. Mas esse aço, assim como a fabricação das armas são de acesso restrito e completamente vigiadas por serem a maior e mais poderosa, arma do reino marcial. Ao descobrirem o caderno de Darin, a vida de Laia, muda para sempre.

Em paralelo a vida de Laia, Elias, um soldado marcial, está prestes a se formar. Ou, a fugir. Com seu espírito justo, bondoso e livre, Elias tem muita dificuldade de se imaginar um soldado que mata, estupra e tortura por puro prazer. Além de ter a máscara, também de aço e motivo pelo qual os soldados marciais recebem o nome de Máscaras, que se cola ao rosto até se tornar seu rosto, como um incômodo insuportável. 

"Você é uma chama entre as cinzas, Elias Veturius. Você vai brilhar e queimar, devastar e destruir."

A vida desses dois se cruza de forma totalmente inesperada e perigosa. Após, ver seus avós serem mortos e seu irmão levado como prisioneiro, Laia parte em busca de ajuda. E embora a resistência, esteja resistente em aceitá-la, acabam a ajudando em troca de um único favor. Laia será uma espiã na sede de treinamento dos máscaras, a Academia Blackcliff. Porém, será colocada como escrava da comandante, a mulher mais temível e detestável da história dos vilões literários, lugar de onde nenhuma escrava saiu viva. 

O maior problema que tive com a história, foi a demora para pegar um ritmo. Pra mim, as primeiras 130 páginas são desnecessárias, e embora não atrapalhem muito o ritmo do livro, o atrasam. Outra coisa com a qual demorei a me acostumar, foi o medo de Laia. Nunca vi ninguém tão medroso em minha jornada literária, mas depois, entendi o que estava acontecendo e me fascinei. Sabaa, guardem esse nome, ainda ouvirão falar muito dessa escritora!

Laia é apenas uma jovem de 17 anos, que perdeu tudo e todos que tinha. Realmente é cobrar demais dela, ao esperar que ela levante uma espada e grite Justiça!, mas foi difícil vê-la agir como se nada pudesse fazer. O que anima, é o fato dela não se deixar levar por esse medo, quando o assunto é Darin. A única pessoa de sua família, que lhe resta no mundo. Nesse ponto, o livro me lembrou muito Caminhos de Sangue, livro que amo de todo o meu coração, e claro, não pude parar antes de ver para onde isso a levaria.

Ao decorrer da narrativa, acabei percebendo a reflexão que a autora fez com relação a medo e coragem. Aqui não há mocinhas que acordam da noite para o dia lutando como um ninja. Laia não sabia nada de guerra, luta ou defesa pessoal. É uma menina assustada, cresceu sem os pais e tudo que tinha lhe foi tomado. Laia está apavorada. Mas ao longo da história, há a evolução de personagens que tanto amo. E Laia cresce. Ela não começa a lutar como se tivesse sido treinada sua vida toda para isso, mas percebe que seu medo é algo real, palpável, literalmente falando... E corajosa ao ponto, de sufocá-lo.

"Você é cheia, Laia. Cheia de vida e sombras e força e espírito. Você está em nossos sonhos. Você vai queimar, pois é uma chama entre as cinzas. Esse é o seu destino."

Adorei esse ponto da história. Além de perceber que ser corajoso não é apenas empunhar uma arma e detonar tudo, mas colocar o medo de lado e lutar por algo, há as pitadas fantásticas e mágicas que a autora usou com maestria em sua história. O medo que Laia sente são sombras, que fazem parte das lendas contadas no reino. Elas são reais...

Mas não é só Laia, que experimenta o medo e suas artimanhas. Nem, tão pouco, a única que vê a mágica acontecer. Elias foi abandonado assim que nasceu. Sua mãe, a comandante, o abandonou no deserto. E até seus seis anos, ele foi criado com muito amor e carinho por ciganos. Mas com seis anos, um adivinho o levou de volta para a corte. Motivo pelo qual ele os odeia até hoje. 

Os adivinhos são seres mágicos, dotados de toda a sabedoria existente. Não podem morrer, e consideram essa, sua maldição. São capazes de ler mentes e prever destinos. Mas a história conta também com outros elementos mágicos, que explicam toda a origem do sofrimento dos Eruditos, do porque tantos seres mágicos ainda existentes, vagam como lendas e sombras, agora praticando o mal e também serve de dom para alguns dos personagens.

Como Helene, ou Hel. Melhor amiga de Elias, e também uma das melhores máscaras da academia. Uma das únicas mulheres. Elias e Hel, fazem parte de famílias de alto escalão no reino marcial. Mas ambos foram destinados a esse fim. Com tudo, as coisas mudariam novamente para pior. E seu dom de cura ao cantar, seria útil em mais de uma situações.

Os personagens secundários são fundamentais nessa história. Vários personagens da academia são citados e explorados de forma a nos causar um grande impacto, sempre que algo acontece. E olha, se prepare, cabeças e muitas lágrimas, vão rolar! Me apeguei a todos com extremo carinho, um erro! Um conselho, não se apegue a ninguém! Para o bem do seu próprio coração... rsrs.

Mas o personagens principais dessa história épica, formam uma teia inacreditavelmente intensa e sedutora. Elias, Hel, Keenan soldado da resistência que ajuda Laia e Laia, me colocaram à flor da pele. Estive esperando o tempo todo, saber qual seria o próximo passo que a história daria, mas estive no escuro o livro todo! Hel gosta de Elias, embora ele a considere apenas uma amiga. Mas o sentimento de sua amiga o confunde profundamente. Laia se apaixona por Keenan, mas ao conhecer Elias as coisas mudam para ambos. E está traçado, o quarteto amoroso mais fantástico da literatura! kkk Eu que morro de pavor, de triângulos, me apaixonei por um quarteto! kkk

Na verdade, se apaixonar pelo quarteto, não é bem o termo certo. Helene não me convenceu. Diferente de Elias que sempre se preocupou em fazer a diferença, em ser livre e conhecer o mundo sem limitações detrás dos portões da academia, Hel tem seus planos para melhorar o império. Metida, mimada e tão cruel quanto qualquer outro máscara, sua única fraqueza é Elias. Exatamente por isso, não consegui gostar dela. Ela não é uma pessoa boa, ela é boa, apenas, para Elias.

E embora eu ame Keenan, e Deus! Como eu amei aquele ruivinho tinhoso! não consigo deixar de ser #TeamElias. Sério gente, não há nada mais bonito do que eles dois juntos. Em algumas cenas meu coração quase não coube dentro do peito de tão feliz que fiquei, ao ver a felicidade deles, com as coisas mais simples que foram capazes de experimentar juntos. Amei a relação deles dois. Amizade, companheirismo, desejo, paixão... Incrível!

Mas na batalha pelo trono, e pelo império, não há espaço para o amor. E como Elias escolheu ficar e seguir o conselho do adivinho, terá de arcar com as consequências de seus atos. Porém, muita dor, sangue e pessoas queridas ficarão pelo caminho. E seu maior medo, se tornará realidade. Ele será causador de muitas mortes e sofrimentos. E sua liberdade terá um preço muito alto. Mas ao lado de Laia, tentarão ambos, alcançarem o que desejam.

"A vida é feita de vários momentos insignificantes. Então um dia, aquele único momento aparece pra definir cada segundo do futuro. Tais momentos são testes de coragem, de força."

Um livro fascinante, sedutor, sensual, envolvente, cruel e inigualável. Você não vai querer largar! E embora seja grande, com certeza, lerá em um único fôlego. Se é que dá para ter fôlego com esse livro... Me faltou o ar em vários momentos. Mais do que indicado, lê-lo é uma obrigação! 

"Prefiro morrer a viver sem compaixão, sem honra, sem alma."

Para Ler Ouvindo: Bastille - The Draw


Espero que tenham gostado! Já leram? Querem ler? Me contem tudinho!!

Mil beijokas e até breve ;)

2 comentários:

  1. Anya lindaaaaaa ♥
    O que dizer desse livro que eu amei tanto ler???? kkkkk....
    Você sempre arrasando nas resenhas :) também sou #TeamElias e espero muito que ele e a Laia fiquem juntos ♥ seria muito amor.
    E essa música? Ainda não conhecia e amei ♥
    Amo ler suas resenhas ;)
    ótimo domingo
    bjo

    Tati C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tatiii! ♥
      Bom demaaaaais né?! kk. Obrigada sua linda! Não tem como ser de outro time que não o do Elias. Ele é perfeito demais!
      Essa música... Ahhh, pensa em uma paixão? Sou eu com o Bastille. Amo muito essa banda! E essa música combinou perfeitamente com o livro! ;)
      Obrigada pelo carinho de sempre e fico muito feliz que tenha gostado da música e da resenha!
      Beijokas e volte sempre!! :*

      Excluir

Quer me fazer feliz, ou curtiu a matéria? Comente! Sua opinião é o mais importante.