{Lá Vem Resenha} A Escolha


Autor: Nicholas Sparks

Editora: Arqueiro

Páginas: 196


Sinopse: Nicholas Sparks já vendeu mais de 100 milhões de livros no mundo.“Nicholas Sparks retrata as escolhas aparentemente comuns que levam a grandes mudanças em nossa vida. Mais uma história comovente do autor que nunca nos decepciona.” – Publisher’s WeeklyA escolha levanta uma das questões mais difíceis da vida: até onde você iria em nome de um amor verdadeiro?Para Travis Parker, felicidade é estar com a irmã e os amigos, viajar, andar de moto e praticar esportes radicais. Ele nunca teve um relacionamento amoroso sério, mas não sente falta disso. Para ele, sua vida já está completa.Pelo menos até conhecer Gabby Holland, a bela médica que acaba de se mudar para a casa ao lado em busca de felicidade e independência. Mas conquistá-la não será tão simples. A jovem tem namorado e fica muito confusa com os sentimentos que o vizinho lhe desperta. E, depois de um fim de semana em especial, ela terá que tomar uma decisão.Mostrando que sentimentos imprevisíveis levam a caminhos surpreendentes, Nicholas Sparks mais uma vez constrói personagens sensíveis e cenas emocionantes que trazem tanto sorrisos como lágrimas num espaço de poucas páginas.



Hey amores e amoras! Essa foi mais uma leitura do Clube Entre Leituras. Como eu tenho uma meta, que estabelece que pelo menos um livro do Nicholas Sparks eu tenho que ler por ano e A Escolha, foi recém adaptado, eu não podia estar mais ansiosa e animada para ler o livro. O mesmo, é dividido em duas partes. Posso dizer que com suas duas partes, eu tive dois sentimentos diferentes em relação ao livro.

Confesso que o livro por si, não chamava muito a minha atenção, mas como ouvi falarem muito bem e a adaptação me pareceu atrativa, me animei bastante para essa leitura. Infelizmente, não me mantive com o mesmo sentimento durante o livro todo.

A Escolha nos conta a história de Gabby e Travis. Vizinhos que não se conhecem e que não poderiam ter história mais diferentes. Porém, uma improvável aproximação acontece e o destino muda para sempre a vida desses dois. 

Gabby é a típica mulher independente com síndrome de "ele não está tão afim de você". Namorando a muitos anos o mesmo cara, desde a faculdade, ela espera ansiosa por um pedido de casamento que parece não fazer parte dos planos de seu namorado. Pelo que eu vi do cara, talvez, isso tenha sido a melhor coisa que aconteceu na vida dela... 

"Havia momentos em que o mundo inteiro parecia estar conspirando contra ela."

Travis, é o vizinho bonitão que não tem regras, cujo seus relacionamentos não duram tempo suficiente para que se pense em um futuro. Exatamente por isso, ele vive apenas o presente. Mas após conhecer Gabby, sua vida de solteirão convicto e aventureiro, começa a lhe parecer imatura e frágil. 

O livro começa em uma noite, onde após um dia terrível, Gabby tem que lidar com o som alto que vem da casa de seu vizinho. Já não bastasse ter de lidar com pais neuróticos no hospital, o doutor abusivo, e sua cadela grávida, ainda tem o seu vizinho com o som alto no meio da noite... Gabby, perde a cabeça e resolve ter uma conversinha com seu vizinho.

Ao se deparar com uma Gabby realmente irritada, depois de ser derrubada por seu cachorro, Travis escuta quieto, todas as queixas de sua nova vizinha, que nunca agradeceu a cesta de boas vindas e que não se dignou a falar com ele uma única vez. 

Enquanto Gabby derrama seu dia frustrante em Travis, ela não deixa que ele fale. Mas ao terminar, culpando seu cachorro pela gravidez de sua cadela, ela percebe que foi bom ter alguém com quem compartilhar seus dias. E é assim, que surge uma amizade cheia de histórias, aventuras e confusões compartilhadas...

"Eu aprendi há muito tempo que é melhor parar quando estou no topo."

Gabby é uma personagem cativante. Embora um pouco impulsiva e agitada. Mas tudo que ela é, ou como reage, é culpa de sua criação com uma mãe sulista que acredita que o dever da mulher é ser uma dama completa. Seus traumas e medo do fracasso, das decepções e de ser motivo de vergonha para sua mãe, influenciam em sua vida. Enquanto ela luta para ter sua própria voz, é a voz de sua mãe que perturba seus pensamentos...

"Damas. Gabby não suportava aquela palavra. Quando sua mãe a dizia, ela sempre se sentia sobrepujada por uma sensação de fracasso, que fazia com que pensasse que tinha um longo caminho para percorrer, mas sem um mapa para guiá-la."

Confesso que em alguns momentos eu tive que parar e respirar um pouquinho, porquê sinceramente, a Gabby me irritou. Não consegui conter a raiva quando ela agia como uma menina, diante de algumas situações. Mas, entendo seu jeito. Seu namorado não liga a mínima para ela, e é muito relaxado. Sua mãe está em seus pensamentos a criticando e pressionando o tempo todo. Não tem como viver bem assim!

"- Você só está dizendo isso para me alegrar.
- É o que faz a minha vida valer a pena."

Muito da sua vida, desviou-se de para onde ela queria que fosse. E essa foi outra coisa que me irritou. Ela deixou de fazer medicina, por culpa de sua mãe. Se mudou para o outro lado do país, por seu namorado... Sério? Mas, quando ela conhece Travis, e resolve deixar seu jeitinho arisco de ser de lado, a vida se abre como uma janela no verão. Liberando uma onda de frescor e calmaria em uma vida agitada e nervosa.

"Quando olho para o céu, sei que alguém estava fazendo exatamente a mesma coisa há milhares de anos."

Travis é mega tranquilo. Uma personagem que não me agradou, pelo menos não no início. Com seu jeitinho relaxado e quieto, parece não querer ou esperar nada da vida. Mas com o decorrer da história, ele se revela apenas alguém - um dos poucos - que teve uma boa vida. Por isso, ele não tem nada com o que se preocupar. Mora desde sempre na mesma cidade, viaja com frequência, é aventureiro por natureza, não se prende porquê ainda não encontrou motivo para fazê-lo. Trabalha com o que ama e está sempre próximo de sua família. Uma vida perfeita!

"O amor é uma coisa maravilhosa. Faz a vida valer a pena. Eu amo amar."

Mas ao conhecer Gabby, Travis percebe que o tempo passou. Ainda está passando. Seus amigos casaram, tem filhos, não estão mais disponíveis o tempo todo e ele quer mais do que uma vida de aventuras solitárias. De repente, é importante ter alguém com quem compartilhar sua vida perfeita. E se tem algo em que Travis merece uma salva de palmas, é sua determinação. 

Em apenas um final de semana, entre cuidados com a cadela de Gabby e um passei de barco com direito a parapente, ele se vê perdidamente apaixonado por essa meninas nervosa, que do nada chegou gritando com ele sobre sua cadela e agora, povoa todos os seus pensamentos.  Travis resolve que não só quer, como precisa de Gabby. 

"As velas queimavam, e eles colocaram o que havia sobrado do vinho em suas taças, ambos cientes de que estavam sentados frente a frente com uma pessoa que poderia mudar o rumo de suas vidas para sempre se não fossem cuidadosos."

Essa primeira fase do livro é linda! Um romance rápido, gostoso de acompanhar. Duas pessoas que achavam que estavam vivendo a vida que queriam e que precisaram se encontrar para perceber que na verdade, o que precisavam, é bem diferente do que queriam... 

"Eu amo você, Gabby . Não somente por ser quem você é, mas pela maneira que você me faz pensar no que nós podemos ser."

Os personagens secundários são grande parte da história. Mas quem rouba a cena é Stephanie. A irmã de Travis, não só é uma peça, como ajuda e muito o livro a se tornar uma brisa fresca. Super altiva, animada e sincera, ela pega não só a Gabby, como ao leitor desprevenido algumas vezes. Mas não dá para não gostar dela. Que além de uma super irmã, se mostra uma super amiga...

"E com um amor assim... dizem que qualquer coisa é possível, não é? Você ama Gabby e Gabby ama você, e eu não consigo imaginar um mundo onde vocês dois não estejam juntos. Juntos como deveriam estar."

O que mais gostei da primeira fase, foi o começo de tudo. As aventuras, as viagens, a descrição de vários lugares pelos quais Travis viajou e o passeio de barco, que ahhhhh, me deixou com muita vontade de fazer parapente também! Embora eu ache que o autor podia e devia, ter explorado melhor tudo. 

"Que olhar para as estrelas era como olhar para o passado, pois algumas estrelas estão tão longe que sua luz demora milhões de anos apenas para chegar até nós. Que nós vemos estrelas não como elas são agora, mas como elas eram quando os dinossauros andavam pelo planeta."

O romance é muito rápido, não temos acesso a muita coisa. Eles se apaixonam e é isso. Não conhecemos o namorado de Gabby, não realmente. Não vimos seu término,  só sabemos que depois de um final de semana, a sentença foi dada e Gabby está pronta para namorar Travis. E bem aí, vamos a segunda parte.

Na segunda parte do livro, temos uma Gabby e um Travis mais velhos, mais maduros.Mas a monotonia toma conta da história. Há um grande bãm, que leva não só Travis, mas o leitor a pensar e repensar sobre as nossas escolhas e até onde devemos ir em busca do amor verdadeiro. Mas não consegui me emocionar com a trajetória dos dois nessa segunda fase.

"Ultimamente, parecia que ele não sabia a respeito de muitas coisas. (...) Mas, se houvesse uma pessoa capaz de responder a qualquer pergunta, Travis perguntaria o seguinte: até onde uma pessoa deveria ir em nome do amor verdadeiro?"

Travis é quem acompanhamos nessa fase. Sua dor e tristeza é palpável. Isso angustia! É realmente triste vê-lo sofrer, depois de tê-lo conhecido como um homem cheio de vida. Mas nem mesmo esse sofrimento,  todo o amor e carinho que o acompanham, foi capaz de me convencer. 

"Você é cada esperança e cada sonho que eu já tive, e você me fez mais feliz do que qualquer homem poderia sonhar em ser."

Não que a história seja ruim, longe disso. A história tem muito potencial. Os personagens tem muito potencial. A mensagem é passada. Mas creio que o autor necessitava de pelo menos mais cem página, para desenvolver melhor o enredo. Se a história tivesse caminhado um pouco mais devagar, se o relacionamento de ambos tivesse se aprofundado um pouco mais, com certeza a história teria se tornado a minha favorita.

"esperança, como ele aprendeu, é tudo o que uma pessoa tem, e nos últimos quatro meses ele havia aprendido a aceitá-la."

Bom, meu livro favorito do tio Nicholas, ainda é O Melhor de Mim. Que embora com um final realmente questionável, é lindo! Mas fico por aqui super recomendando o livro. Dá para ler em um dia, é super leve, gostoso de ler e a segunda fase é menorzinha. O que ajuda a seguir com a leitura até o fim. O final é surpreendente e terno. Não tem como não se sentir completo novamente. E sendo sincera, a primeira parte do livro vale pelas duas! kkk.

Ainda pretendo ler mais alguns livros do Nicholas esse ano, e com certeza vou assistir a adaptação de A Escolha, agora tranquila. Já sei como termina... eu eu meus traumas com o Nicholas! kk Pelo que percebi, houveram algumas mudanças drásticas na adaptação. Preciso saber se esse será mais um dos raros casos de "o filme é melhor do que o livro" haha. 

Espero que tenham gostado e que me contem se já leram, ou se querem ler. Se quiserem participar do clube, é só clicar no link lá em cima. Serão todos muito bem-vindos! 

Mil beijokas e até breve! ^ ^ 

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Oi, Lu!
      Faz todo o sentido. Imagino que sua vontade foi ainda mais diminuída quando leu a resenha né? kk.
      Mil beijokas e volte sempre! ^ ^

      Excluir

Quer me fazer feliz, ou curtiu a matéria? Comente! Sua opinião é o mais importante! Ah, deixe seu link que terei prazer em retribuir o carinho ;)

© Nome do seu Blog - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Jaque Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo