17 abril 2018

Lá Vem Resenha - Kurt Seyit e Shura



Kurt Seyit & ShuraAutor: Nermin Bezmen
Editora: Pedrazul
Páginas: 360
Série: -/-
SINOPSE: Um best-seller instantâneo desde o seu lançamento em 1992, o romance Kurt Seyit & Shura, de Nermin Bezmen, é um clássico da literatura turca contemporânea, um drama romântico que tem como cenário a decadência do Império Russo e a Primeira Guerra Mundial. Bezmen nos conta a história de um casal que vive um amor proibido à medida que foge da onda de devastação causada pela Revolução Bolchevique. Neta de Kurt Seyit, O Lobo, que procurou refúgio no já enfraquecido Império Otomano, a autora relata a história real até então traduzida para doze idiomas.
Kurt Seyit é o filho de um nobre abastado da Crimeia e um elegante primeiro tenente da Guarda Imperial. Ferido no front dos Cárpatos e, mais tarde, procurado pelos bolcheviques, ele faz uma fuga ousada através do Mar Negro. Orgulhoso para aceitar o pagamento por um carregamento de armas que ele entrega aos nacionalistas, Seyit enfrenta anos de luta para começar uma nova vida na República Turca que surge das cinzas do Império Otomano decadente. Tudo o que ele tem é a sua dignidade e o seu amor.
Shura é a linda e inocente menina, encantada pela música de Tchaikovsky e pelas luzes brilhantes de Moscou, que se apaixona por Seyit quando tem apenas quinze anos. Uma vítima em potencial na mira dos bolcheviques devido à riqueza e à posição social de sua família, ela está determinada a seguir seu coração e acompanhar Seyit na sua perigosa fuga pelo Mar Negro.




Este maravilhoso romance escrito por Nermin Bezmen é um clássico da literatura turca contemporânea e tem como cenário a decadência do Império Russo e a Primeira Guerra Mundial. Meu primeiro contato com esta história foi através da série homônima que encontrei navegando aleatoriamente pela Netflix, fui instantaneamente capturada pelas locações maravilhosas, pelas imagens da opulência do Império Russo em toda sua glória e pela beleza estonteante do protagonista “Kurt” Seyit Eminof e confesso que me surpreendi com a qualidade da série e o impacto que me causou quando descobri que se tratava de uma história real contada pela própria neta de Seiyt Eminof. Imediatamente procurei pelo livro, que ainda não havia sido publicado no Brasil. Apenas recentemente foi traduzido para o português e lançado pela Editora Pedrazul, devido ao grande sucesso da série, não hesitei em garantir o meu.

Seyit Eminof, conhecido como “Kurt” Seyit, é filho de um nobre abastado da Criméia e um elegante primeiro tenente da Guarda Imperial muito querido pelo czar Nicolau II. Seu apelido “Kurt” foi-lhe dado quando ainda bebê, pois Seyit chorava tanto que eles decidiram acrescentar Kurt ao nome, cujo significado é lobo. De acordo com a crença secular dos crimeus, os bebês choravam de medo ao ouvir lobos uivando, e era apenas quando eles eram forçados a encarar seus medos que podiam superá-los, daí a necessidade da repetição do nome do animal.

Seyit tornou-se um lindo jovem conquistador, colecionador de corações, inabalável até conhecer a jovem Shura, dona de uma beleza ímpar, com apenas quinze anos, doce, ingênua e inocente. Em meio a revolução bolchevique, a nobreza é alvo certo para os revolucionários, e sendo Shura nascida em uma família abastada e de posição social privilegiada, certamente corre perigo, mas está disposta a seguir seu coração e deixar para trás sua família, seu país, enfim, tudo que lhe era mais querido e que já conheceu para acompanhar Seyit em sua arriscada fuga pelo Mar Negro. 

 O encontro entre essas suas almas é impactante e inesquecível. Imagine muita neve, sinos de igreja badalando, sons de uma troika (em russo significa um carro conduzido por três cavalos alinhados lado a lado, ou mais frequentemente, um trenó puxado por cavalos) a distância e Tchaikovsky e você terá o pano de fundo perfeito para uma história de amor arrebatadora. Em contraste temos a revolução, o cenário de decadência, a luta, famílias destruídas e muitas lágrimas.

A autora faz uma descrição acurada do momento histórico, o que nos permite nos transportarmos para aquele período de grande ebulição mundial e sentir toda a dor dos personagens que perdem seus entes queridos e tentam reconstruir sua vida na República Turca que surge das cinzas do Império Otomano decadente.

Acredito que os que assistiram à série e depois leram o livro, se decepcionaram um pouco com o caráter de Seyit. Vemos na série um Seyit leal, respeitoso, que nutre um amor inabalável por Shura, no entanto no livro há momentos em que ele impulsivamente se entrega a aventuras fugazes com mulheres que não chegaram a significar nada e até mesmo chega a ser violento com Shura, o que particularmente me incomodou um pouco e o fez perder o encanto.  O amor dos dois se torna um tanto doentio. Shura era a Rússia e a Criméia que Seyit considerava perdidas para sempre e Seyit representava o mesmo para Shura. Mas paro por aqui para que possam se surpreender com a história. Prepare – se para grandes emoções, deixe os lencinhos ao lado e mergulhe nessa história de amor de abalar corações, repleta de encontros e desencontros.

Espero que tenham gostado! Se já leram ou assistiram a série na Netflix, comenta para a gente debater mais sobre a história nos comentários. 

Um comentário:

  1. Eu não consegui parar de ver a série! Achei linda a história, mas me decepcionei com o fato de Sura e Seyit não terminarem juntos depois de tantas superações durante o período da guerra. A série me tocou profundamente!

    ResponderExcluir